Viabilidade financeira: o que é e como avaliar o estudo

Todo empreendedor se pergunta sobre: “como está indo o meu negócio?”.

São muitos documentos e números que devem ser constantemente avaliados para saber se a forma com a qual sua empresa está aplicando o dinheiro, atualmente, está sendo positiva.

Será que ela está dando retorno, realmente, ou apenas gastos?

Se você não consegue responder a essas questões, neste momento, provavelmente, é porque não calculou a viabilidade financeira dos seus negócios. Esse é um estudo essencial para planejar, monitorar e aplicar bem o capital de qualquer empreendimento.

Aprenda, neste post, tudo sobre o assunto!

O que é viabilidade financeira?

É um estudo que busca entender se determinado investimento é rentável ou não. Para isso, ele considera fatores como o capital, a receita, as despesas, os lucros e o desembolso do negócio.

Qual a diferença entre viabilidade econômica e financeira?

A viabilidade econômica analisa como o investimento afeta o caixa da empresa (se é positivo ou não), enquanto a financeira estima quanto dinheiro será necessário para colocar o investimento em prática.

Por que realizar o estudo de viabilidade?

De forma simplificada, para não desperdiçar dinheiro! Você investiria em algo que não dá retorno? Esse é o princípio da viabilidade financeira: aplicar o dinheiro em melhorias que trazem benefícios concretos ao empreendimento.

Os custos que você tem com a sua empresa não devem ser medidos em gastos, e sim em valores. Para exemplificar, é como comprar roupas de inverno no verão.

Por meio de estudos adequados de viabilidade financeira (entenda mais sobre isso abaixo), você pode perceber que isso não é produtivo para a sua loja — e pode até ser prejudicial!

Por isso, recomendamos aplicar o assunto deste post em todos os aspectos de compra/investimento do seu negócio.

Quando realizar o estudo de viabilidade financeira?

Sempre que iniciar um empreendimento, expandir os negócios, aprimorar os equipamentos e/ou traçar novas estratégias.

Pessoa analisando gráfico e fazendo cálculos na calculadora

Como funciona o estudo de viabilidade?

Trata-se de uma previsão no mundo dos negócios, já que considera os dados reais e o nicho. Abaixo, listamos 7 itens que o estudo de viabilidade financeira estabelece:

  1. Identifica quanto capital inicial será necessário;
  2. Aponta qual a melhor atividade/projeto para investir;
  3. Define quanto de capital de giro é necessário;
  4. Aponta as despesas, custos e receitas previstos para curto, médio e longo prazo;
  5. Indica o rendimento do capital inicial investido;
  6. Estima o lucro se os custos forem superados;
  7. Mostra outras alternativas de investimento, principalmente pós-estudo.

Como fazer estudo de viabilidade financeira?

Antes de tudo, certifique-se de que os dados contábeis da sua empresa estejam atualizados. Feito isso, siga o passo a passo a seguir para calcular a viabilidade financeira:

1° passo: analise o mercado

Segundo Kotler, o pai do marketing, a análise de mercado está entre os pilares do bom andamento de um negócio. Nela, identificamos a real necessidade do público-alvo, perfil dos fornecedores e concorrência, além dos pontos fortes e fracos do nicho.

O objetivo deste primeiro passo é entender como o mercado está e se situar nele. O estudo da viabilidade financeira analisa a volatilidade do nicho.

Por exemplo: você quer investir em fantasias infantis, mas identifica que a demanda está muito baixa. Será que é um bom investimento agora? O preço dos fornecedores está favorável? Você pode ficar com estoque parado até a demanda aumentar de novo?

Essa visão sistêmica e analítica pode ser desenvolvida com a busca constante por informações e, claro, a experiência.

2° passo: programe o fluxo de caixa

A programação do fluxo de caixa está entre os pontos fundamentais para o estudo de viabilidade. Se estiver no vermelho, primeiro, analise como reverter a situação e, depois, comece um novo projeto.

Moedas e caneta em cima de uma mesa de escritório

Por outro lado, quando o saldo está positivo, você já pode descrever as receitas, custos, despesas e, assim, definir a quantia para investimento.

A projeção de dinheiro para investimento é definida a partir da entrada e saída.

Se você ainda tem dúvida, leia nosso conteúdo sobre markup. Nele, ensinamos como precificar produtos a fim de cobrir todos os custos e ter dinheiro para lucro, reserva de emergência e investimento.

3° passo: metrifique os indicadores

Os indicadores são números reais que comprovam a viabilidade do investimento. Podem ser: dados da receita dos últimos meses, quanto tempo demorou para retornar o último investimento, informações da análise de mercado, etc.

A parte complexa da metrificação dos indicadores é que um completa o outro, ou seja, uma métrica depende da outra para existir. Adiantamos que é uma etapa trabalhosa, mas é fundamental para o rumo dos negócios. Os principais indicadores são:

Break-even

O sonho de todo investidor! Break-even significa intervalo de equilíbrio, em outras palavras, quando o retorno se iguala ao investimento. A partir deste momento, o que entrar é saldo positivo.

  • Ponto de equilíbrio da viabilidade financeira = custos e despesas fixas + investimento ÷ margem de contribuição

A propósito, a margem de contribuição é o que sobra da receita total depois de diminuirmos os custos e despesas. E, para a conta acima, você precisa apenas transformar o resultado da conta em porcentagem.

Payback

O payback significa reembolso, em tradução livre. Esta métrica determina o período que demora para retornar o investimento. Para chegar ao valor final, calcule:

  • Reembolso = investimento inicial ÷ ganhos do período ou média do fluxo de caixa

Taxa Mínima de Atratividade (TMA)

A TMA faz parte das taxas usadas na bolsa de valores para definir se uma ação é boa ou não. Não existe uma fórmula única para a TMA, pois depende do custo da oportunidade, risco do negócio e liquidez do mercado. Depois de muitos estudos, tem-se que:

  • TMA = custo médio do capital + prêmio de risco (lucro estimado)

Taxa Interna de Retorno (TIR)

A rentabilidade do projeto é representada pela TIR que é comparada com o indicador anterior. A fórmula parece complexa. Nós explicaremos, veja:

Fórmula para calcular a Taxa Interna de Retorno (TIR)

  • FCi é o fluxo de caixa do período estabelecido;
  • i é o período do investimento;
  • N é o período final do investimento.

O cálculo não precisa ser feito manualmente, basta inserir os valores numa planilha no Excel que o sistema calcula automaticamente para você. Veja abaixo como fica:

Período Fluxo de caixa
Início R$-70.000,00
1 mês R$12.000,00
2 meses R$15.000,00
3 meses R$18.000,00
4 meses R$21.000,00
5 meses R$16.000,00
TIR 5,192%

No local que está a porcentagem, coloque a seguinte fórmula:

  • =TIR(Primeiro Valor : Último Valor)

Estes “valores” são as coordenadas das células, como se fossem a direção em um mapa cartográfico. Por exemplo:

  • =TIR(B2:B6)

B é a coluna o 2 é a linha do primeiro valor;

B é a coluna e o 6 é a linha do último valor.

Estes cálculos servem para tomar a seguinte decisão:

  • TIR maior que TMA: o projeto custeia o investimento inicial e sobra uma porcentagem de lucro;
  • TIR igual a TMA: o projeto paga o investimento sem lucro, fica no zero a zero;
  • TIR menor que TMA: o projeto não custeia o investimento e gera prejuízo. Neste caso, é inviável!

Valor Presente Líquido (VPL)

A fórmula para calcular o VPL é extensa e tem a mesma dificuldade que a anterior. É assim:

  • VPL = fluxo de caixa no início do projeto + fluxo de caixa do período 1 ÷ (1+TMA)

Caso tenha mais períodos, acrescente ao final da fórmula como “fluxo de caixa do período 2” e mantenha o divisor (1+TMA).

É necessário dividir cada período por (1+TMA). Não importa a quantidade de valores que você acrescente à fórmula. Pode colocar 3, 4 ou mais períodos, apenas lembre de dividir cada um deles para chegar ao resultado real.

Exposição máxima de caixa

Quanto você pode tirar do caixa para investimento durante o projeto escolhido? É o que este indicador aponta. Aqui você irá calcular tudo que precisa para manter os negócios funcionando paralelamente ao novo projeto.

Para este valor, é necessário somar todos os prejuízos previstos para o período de investimento, além do valor que já foi orçado.

  • Exposição máxima de caixa = supostos prejuízos + investimento + custos e despesas fixas e variáveis

Com essa informação, nós prevemos o valor máximo que pode sair da conta bancária durante os primeiros meses de projeto. O valor está sujeito a alteração e influência externa, uma vez que lida com suposições de prejuízos.

O que nós estamos fazendo é prevendo um cenário com a melhor e pior das hipóteses.

Cada um dos indicadores ajudará em um algum momento na tomada de decisão, seja para onde, quando e quanto investir.

Estudos da Universidade Federal de Minas Gerais comprovam que empreender com planejamento e estudos de viabilidade financeira evita riscos de insucesso.

O trabalho para calcular os indicadores pode ser um pouco difícil no começo. Porém, é determinante para o bom andamento dos negócios. Vale a pena estudar como calcular e chegar aos números de verdade.

Você pegará prática com o tempo e logo estará metrificando rapidamente. Utilize nossas dicas e fórmulas para tomar uma decisão consciente e assertiva.

Mulher sentada segura caixa de entrega e celular em frente a notebook

Gostou das informações? Continue acompanhando o blog para sempre estar informado e munido de boas práticas de gestão!

Temos um post que vai complementar seus estudos, veja: o que é e como calcular reserva de emergência?

Compartilhe este Conteúdo

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email

Deixe um comentário