Reserva de emergência: o que é e como calcular

A reserva de emergência é usada em casos de necessidade extrema – apenas quando imprevistos acontecem.

É importantíssimo guardar uma quantia assim que a loja de roupas é inaugurada, visto que não é possível prever quando a reserva financeira será útil.

Aprenda com a gente: o que é reserva de emergência e dicas de quanto guardar.

O que é reserva de emergência?

A reserva de emergência é uma quantia de dinheiro que você guarda para imprevisto. É uma estratégia útil para que você não precise realizar empréstimos ou recorrer ao fluxo de caixa normal.

Por que manter uma reserva de emergência?

Para evitar imprevistos e estar pronto(a) para lidar com eles, claro. No meio lojista, eles se dividem em dois: internos e externos.

Os internos são situações que você consegue controlar dentro da loja, como funcionários, estoque, loja física e produtos, enquanto os externos são condições impostas pelo mercado, como inflação e condições climáticas.

Veja exemplos práticos de crises que podem afetar grandemente a sua loja caso ela não tenha fundos emergenciais:

  1. Recessão ou crise econômica (inflação, desemprego, redução do consumo);
  2. Perda de mercadoria por extravio, incêndio, enchente, roubo, etc.;
  3. Aumento de custos sem aviso prévio (reforma urgente);
  4. Períodos anuais de baixíssima demanda (sazonalidade). em que as vendas não suprem os custos fixos;
  5. Não vender produtos de alto investimento.

O ato de manter uma reserva de emergência é uma forma de garantir o máximo de controle possível em situações de atrito.

E, por mais que as situações que citamos sejam negativas, é importante saber que a reserva de emergência também é útil em investimentos promissores.

Por exemplo, a chance de alugar/comprar um ponto de venda melhor e o aparecimento de uma oportunidade única de investir em uma coleção ou publicidade. Enfim, apenas em situações extraordinárias.

Como calcular a reserva de emergência?

O cálculo para conquistar a reserva de emergência é construído aos poucos. Fizemos um passo a passo detalhado para facilitar esse processo, entenda as fórmulas de maneira descomplicada na sequência.

1° passo: entenda o fluxo de caixa

O fluxo de caixa é a quantia financeira que entra e sai do caixa. Ou seja, a quantidade de dinheiro proveniente de vendas e gastos com custos fixos e variáveis para manter o funcionamento da loja.

Tome pleno conhecimento de como o fluxo de caixa funciona (incluindo dados diários, semanais, mensais, semestrais e anuais), anote tudo em uma planilha e tenha total controle financeiro.

Veja também: como montar fluxo de caixa

2° passo: calcule os custos fixos e variáveis

Os custos fixos são aqueles que não variam de um mês para o outro.

Para exemplificar: salários de funcionários (desde que não tenham comissão de vendas, nesse caso são variáveis), aluguel de equipamentos, maquinários e estabelecimento, provedores de internet e serviços terceirizados (manutenção mensal).

Já os custos variáveis oscilam para mais ou menos periodicamente. Água, energia, embalagens, combustíveis, matéria-prima, serviços temporários, impostos sobre vendas, fornecedores, etc.

Some separadamente os fixos e variáveis, após elencar a lista de custos e despesas,

3° passo: ordene por prioridades

Com todos os custos devidamente organizados, elenque por ordem de prioridade, como a sugerida a seguir:

  • Prioridade 1: itens que a empresa não pode ficar em falta em nenhum momento;
  • Prioridade 2: ações/produtos que é possível ficar sem durante 7-30 dias;
  • Prioridade 3: custos que a empresa pode abrir mão durante 30 dias ou mais.

A ordem de importância pode variar conforme a empresa e modelo de gerenciamento.

Dica: coloque em última prioridade os custos que são negociáveis, como boletos de fornecedores e pagamentos com datas inflexíveis em primeiro lugar.

4° passo: multiplique por 6 os custos da prioridade 1

Some todos os custos da prioridade 1 e multiplique por 6 – esse é o valor mínimo para ter na reserva de emergência!

Essa quantidade supre os principais custos durante 6 meses, o período destinado a encontrar alternativas de reverter a situação ou, como diz o ditado, para segurar as pontas.

Durante esse tempo, o fluxo de caixa custeia a prioridade 2. A prioridade 3 é negociável até resolver o financeiro.

  • Reserva de emergência = soma dos custos da prioridade 1 x 6

5° passo: estabeleça quanto você pode destinar à reserva

Um fluxo de caixa saudável é quando as vendas pagam todos os custos e tem lucro. Portanto, veja qual porcentagem do fluxo de caixa é possível destinar à reserva de emergência.

Se possível, acrescente como custo fixo até acumular o valor total. Conselho: determine o valor com base numa perspectiva mensal.

6° passo: projete o futuro

Depois de determinar o valor saudável para guardar todos os meses, divida pelo valor total da reserva da emergência como descrito na seguinte fórmula:

  • Reserva de emergência = (soma dos custos da prioridade 1 x 6) ÷ reserva mensal

O resultado desta conta é a quantidade de meses que você precisa para acumular o valor total (mínimo para uma emergência). Por isso, é importantíssimo usá-la apenas em casos de necessidade extrema, para que o valor não fique em déficit.

O investimento na reserva de emergência é recorrente. Após atingir o valor estipulado inicialmente, refaça o cálculo de custos e veja se é preciso agregar mais.

Após alcançar a meta, continue acumulando 50% do valor mensal destinado. Assim, você utiliza metade para realizar investimentos e, ao mesmo tempo, continua se precavendo para imprevistos.

Aprendeu como calcular reserva de emergência? É descomplicado e, com as fórmulas básicas que construímos, fica ainda mais fácil se organizar financeiramente.

Continue acompanhando o blog Amor por Empreender para sempre se informar com conteúdos de gestão e inovação.

Aproveite para ler também:

Cross selling e up selling: aprenda como fazer

UEPS: conheça o método para controle de estoque

Compartilhe este Conteúdo

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email

Deixe um comentário