O que é empreendedorismo por necessidade? Veja neste guia

Uma frase célebre do mundo empreendedor é de autoria de Cristóvão Colombo: “Você nunca pode atravessar o oceano até que tenha coragem de perder de vista a costa.” Porém, há pessoas que caem diretamente na água. Não por opção, mas por necessidade.

Metaforicamente falando, você se sente nessa situação? Se sim, saiba que nós estamos aqui por você. Essa condição faz parte do empreendedorismo por necessidade, uma maneira inteligente de sair de situações complicadas.

Neste post, te explicaremos o que é e como lidar com isso, além de dar exemplos de casos reais. Prepare-se para somar seus esforços com os nossos, boa empreitada!

O que é empreendedorismo por necessidade?

O empreendedorismo por necessidade é o ato de montar um negócio porque você precisa de uma renda financeira, seja para sustentar a família ou para pagar as contas que ultrapassaram os limites.

Ou seja, os empreendedores por necessidade são pessoas que se aventuram no mundo dos negócios sem experiência ou grandes conhecimentos prévios no ramo.

“Ter sucesso significa enfrentar um fracasso atrás do outro sem perder o entusiasmo.” — Winston Churchill, Primeiro-Ministro da Inglaterra.

Quem é o empreendedor por necessidade?

Alguém que já não tem mais alternativas para ganhar dinheiro. Na maioria dos casos, a pessoa é forçada a começar a vender algo porque ficou desempregada, foi vítima de alguma catástrofe natural, entre outras situações que a deixaram sem alternativas.

Não acontece uma análise de mercado para entender o que está em alta ou uma dúvida se larga o emprego ou não, entende? São fatores terceiros que a colocaram nesta posição delicada.

E como não há o que perder, esses empreendedores fazem dar certo!

Há empreendedorismo por necessidade no Brasil?

Sim, e muito! Segundo uma notícia do portal G1 e dados do IBGE, a pandemia fez com que o número de empresas cadastradas no Cadastro Central de Empresas (Cempre) aumentasse muito – ao passo que o número de empregados com carteira assinada diminuiu.

Em números, o ano de 2020 fechou com 5,434 milhões de empresas ativas, um aumento de 194,8 mil em comparação com 2019. Já de colaboradores CLT, foram 825,2 mil desligamentos.

Como crescer no empreendedorismo por necessidade?

Depende muito do nicho! Empreendimentos podem surgir no ramo da alimentação, beleza, revenda, artesanato, infoprodutos, aulas particulares, mentorias, consultorias e muitos outros.

No entanto, algo que costuma acontecer em todos os casos é começar sem planejamento. Quem apresenta um comportamento empreendedor faz dessa maneira — ir na garra e coragem, como dizem por aí.

Apesar de ser uma postura corajosa e singular, conhecer os conceitos básicos de gestão e organização pode fazer toda a diferença. Veja só algumas dicas:

1. Pesquise sobre finanças e contabilidade

A administração financeira está entre os pilares do gerenciamento de uma empresa, o que não é à toa. O dinheiro influencia em todos os departamentos, desde o controle do estoque até a precificação dos produtos.

No empreendedorismo por necessidade, o mais comum é que o preço de venda pague os custos e pronto! No início funciona, mas com o tempo fica inviável porque há detalhes que ficam mascarados, além de que imprevistos podem acontecer.

Nós produzimos alguns conteúdos que explicam finanças e contabilidade sem complicações:

Viabilidade financeira – é o cálculo que entende se vale a pena investir dinheiro e tempo em um projeto.

Reserva de emergência – ensinamos a incluir uma reserva de emergência no próprio preço de venda;

Markup – explicamos o passo a passo da fórmula para colocar preço nos produtos;

DFC – descomplicamos o gerenciamento do fluxo de caixa para você, leia para aprender.

2. Destine esforços à uma vantagem competitiva

“Vantagem competitiva consiste em criar valor superior, e não em derrotar concorrentes.” — Michael Porter, economista renomado e autor de livros da área.

Vantagem competitiva é se posicionar no mercado com um ponto forte, que pode ser atendimento, baixo custo ou produto único.

Tentar equilibrá-los também é uma estratégia válida, mas se você quiser otimizar o gasto e aproveitar melhor seus esforços, recomendamos que destine as estratégias da empresa para uma vantagem principal.

Lembre-se da metáfora do oceano: você pode nadar muito bem, mas não sairá do lugar se quiser ir para todos os lados ao mesmo tempo.

3. Tome cuidado com a sazonalidade

Aazonalidade é aquilo que é periódico, ou seja, algo que se repete de tempos em tempos.

As datas comemorativas são exemplos de fatores sazonais que moldam o comportamento do consumidor e, portanto, influenciam o mercado. Dia das Crianças, Black Friday, Dia dos Namorados, Dia das Mães e Dia dos Pais são alguns exemplos.

Estude a sazonalidade para se preparar para tempos com mais ou menos vendas!

4. Assista à filmes de empreendedorismo

Os filmes de empreendedorismo retratam as diferentes realidades ao redor do mundo em 1 ou 2 horas de enredo. Além de mostrar os motivos que deixaram o protagonista na necessidade, também retrata o que ele fez para revertê-la.

É bem dinâmico, não é? Os filmes são fontes riquíssimas de aprendizado, além de permitir aprender relaxando em um sofá e comendo uma pipoquinha. Acesse a nossa lista de filmes de empreendedorismo para conhecer boas obras!

5. Leia livros para aprofundar o conhecimento

Ler estimula a imaginação, trabalha a criatividade, expande o vocabulário, aprimora a escrita e amplia o senso crítico – além de ser uma baita aula de empreendedorismo com professores que já atingiram o sucesso e passam as estratégias para chegar até ele.

Não há dúvidas que a leitura pode te ajudar a empreender com sabedoria. Veja 10 livros que todo empreendedor deve ler:

  1. Os segredos da mente milionária — T. Harv Eker e Pedro Jorgensen (Jr.);
  2. Pai Rico Pai Pobre — Robert Kiyosaki e Sharon L. Lechter;
  3. Pense simples: você só precisa dar o primeiro passo para ter um negócio ágil e inovador — Gustavo Caetano;
  4. Organizações exponenciais — Salim Ismail, Yuri Van Gees e Michael S. Malone;
  5. A mentalidade do fundador — Chris Zook e James Allen;
  6. Abilio: determinado, ambicioso e polêmico — Cristiane Correa;
  7. Sonho grande — Cristiane Correa;
  8. A estratégia do oceano azul — W. Chan Kim e Renée Mauborgne;
  9. Do mil ao milhão: sem cortar o cafezinho — Thiago Nigro;
  10. Mindset – a nova psicologia do sucesso — Carol Dweck.

6. Estude as estratégias de marketing

Marketing é o estudo do mercado e consiste em criar, explorar e entregar valor satisfazendo as necessidades do público. Você entrega isso aos consumidores – mesmo que inconscientemente.

A nossa proposta é que você estude os conceitos de marketing para aplicar as estratégias corretas. Há muita coisa envolvida: marketing digital, de conteúdo, de produto, de relacionamento, de guerrilha, endomarketing etc.

Além de fazer cursos sobre esses temas, saiba que nós sempre trazemos conteúdos com esses temas aqui no blog, então fique atento às novas postagens.

7. Foque em conteúdo para redes sociais

Atualmente, as redes sociais são grandes aliadas para o crescimento de uma empresa, pois divulgam a marca sem limites geográficos (já imaginou vender para o Brasil inteiro ou para fora do país?).

A internet é um campo gigantesco para atuação. Recomendamos que divulgue o seu trabalho com fotos no feed, stories e vídeos (reels no Instagram, por exemplo).

Gerar conteúdo na internet ajuda a solucionar os problemas das pessoas. Consequentemente, elas engajam com a marca e compram quando tiverem necessidade.

8. Aprenda com quem já empreendeu por necessidade

O maior exemplo de vida, superação e otimismo: Geraldo Rufino.

Sua trajetória inicia na favela do Sapé, em São Paulo, onde juntava latinhas para vender no ferro-velho. Ele guardava o pequeno lucro enterrado em um terreno baldio. Um dia, vieram tratores e limparam esse terreno, levando todo o dinheiro que ele tinha.

Como se isso não bastasse, aos 7 anos de idade, ele perdeu sua mãe e deixou de frequentar a escola – a qual voltou apenas aos 13 anos. A reviravolta começou quando ele passou a trabalhar como office boy e comprou um fusca, que trocou por uma kombi.

Com alguns bons negócios, adquiriu dois caminhões para transportar adubo, mas eles se envolveram em acidentes. Como não tinha seguro e dinheiro para consertar, perdeu os caminhões que tinha, então teve que desmontar e vender o que restava para amenizar o prejuízo.

A partir dessa ação, que era para ser uma medida de emergência para manter o mínimo de sua vida financeira, Geraldo Rufino viu que desmanchar peças automobilísticas e vendê-las podia ser um negócio muito rentável.

Ele investiu nessa área, montando uma empresa chamada JR Diesel, que prosperou até fechar uma parceria com empresários estrangeiros que o levaram a um prejuízo de R$ 15 milhões.

Os empecilhos em sua vida e carreira pareciam não acabar, mas depois de reestruturar a empresa, ela começou a prosperar novamente.

De acordo com a Suno, um grande grupo de investimentos e consultorias, a JR Diesel é a maior empresa de desmontagem e reciclagem de veículos da América Latina nos dias atuais.

É MEI por necessidade? Seja criativo(a)!

O povo brasileiro é conhecido pelo otimismo, não desistir nunca, acreditar até o fim e pela alta criatividade — graças ao número altíssimo de gambiarra, não é? Inspire-se na nossa cultura, sendo criativo(a) com os recursos que tem.

Podemos te ajudar com isso aqui no blog Amor por Empreender! Recomendamos a leitura do nosso post sobre a revenda de roupas infantis, um mercado próspero que está em ascensão.

Compartilhe este Conteúdo

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email

Deixe um comentário